09/08/2020 às 07h06min - Atualizada em 09/08/2020 às 07h06min

PESQUISA COMPROVA

A QUARENTENA PROMOVE O ALCOOLISMO

 
Mais da metade das pessoas que aumentaram a ingestão de álcool durante o primeiro bloqueio do coronavírus (Covid-19) continuaram a beber em níveis mais elevados, e mais de um terço dizem que pretendem continuar bebendo no nível mais elevado.
 
Esse é o resultado de pesquisas da Alcohol and Drug Foundation (Fundação de Álcool e Drogas, da Austrália). Estresse, ansiedade, educação em casa e desemprego impulsionaram mudanças nos hábitos de beber em todo o país durante a quarentena nacional de março a maio, e muitas pessoas continuam a beber em níveis que podem aumentar o risco de doenças crônicas.
 
Os australianos mais jovens relataram os maiores aumentos no consumo restrito de álcool, e eles também foram o grupo com maior probabilidade de dizer que desejam reduzir o consumo de bebidas alcoólicas agora.
 
20% dos jovens aumentaram os seus hábitos de beber no confinamento, em comparação com 13% dos australianos de meia-idade e 5% dos idosos.
Mais de um quarto (28 por cento) dos australianos mais jovens, com idades entre 18 e 35 anos, querem reduzir o consumo de álcool, em comparação com 22 por cento das pessoas com 35 a 53 anos e 10 por cento daqueles com 54 anos ou mais.
 
É preciso muita atenção para não trocar uma praga por outra.

 
Leia mais no The Sidney Morning Herald
 
ADF – Alcool na Drug Foundation

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »