02/09/2019 às 11h24min - Atualizada em 02/09/2019 às 11h24min

​RUMO AO FUNDO DO POÇO

DATAFOLHA MOSTRA QUEDA DE BOLSONARO

 
Datafolha publicado nesta segunda-feira (dia 2) pela Folha de S. Paulo comprova o que todos sabíamos: Bolsonaro despenca. Já ganhou o título de presidente eleito com pior avaliação em um primeiro mandato, comparado com os governos de Fernando Henrique, Lula e Dilma.

reprovação de Jair Bolsonaro (PSL)  aumentou de 33% para 38% em pouco menos de dois meses (julho/agosto) . O percentual que avalia o seu governo como ruim ou péssimo é superior ao de entrevistados que o consideram ótimo ou bom.

aprovação de Bolsonaro também caiu  de 33%, em julho, para 29%, agora — dentro do limite da margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou menos.

Com 38% de reprovação, Bolsonaro é o presidente eleito mais mal avaliado em um primeiro mandato, comparado com os governos de Fernando Henrique (15%), Lula (10%) e Dilma (11%).


Os mais ricos querem distância.
Bolsonaro teve queda profunda na aprovação entre os considerados mais ricos, com renda mensal acima de 10 salários mínimos: caiu de 52% em julho para 37% agora nesta pesquisa. Entre os mais pobres, que ganham até dois salários mínimos, o índice  é de 22%.
 
As maiores reprovações de Bolsonaro ficam entre os jovens (16 a 24 anos), 24%, e dos com menor escolaridade (só ensino fundamental, 26%.
 
Entre os eleitores mais escolarizados, com ensino superior, Bolsonaro perdeu apoio pela primeira vez. Entre os que classificam sua gestão  como ruim ou péssima agora é 43% (eram 36% em julho e 35% em abril).
 
No Nordeste a queda é brutal: de 41% para 52%.

Na região Sul, considerada bolsonaristas, caiu de 25% para 31%.

As mulheres são as que mais rejeitam Bolsonaro43% das entrevistadas o avaliam como ruim ou péssimo, enquanto os homens são 34%.

Seu jeito de ser como presidente também teve alta na avaliação: os que acham o comportamento de Bolsonaro inadequado subiu de 25% para 32%. Os que  veem com bons olhos suas atitudes como presidente  diminuiu: em julho eram  22%, agora são 15%.
 
Pior ainda: 44% dos brasileiros não confiam na sua palavra, enquanto 36% confiam eventualmente e 19%, sempre.
 
Sobre o que Bolsonaro já fez pelo Brasil, a avaliação segue estável: 62% acreditam que ele fez menos do que o esperado, 21% acham que ele correspondeu às expectativas e 11%, que fez mais do que o previsto.

A pesquisa ouviu 2.878 pessoas com mais de 16 anos em 175 municípios.

Leia mais aqui (Globo)
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »