25/04/2022 às 16h30min - Atualizada em 25/04/2022 às 16h30min

MOURÃO DIZ QUE FORÇAS ARMADAS NÃO SÃO CRIANÇAS.

SORTE DAS CRIANÇAS...


 
O vice-presidente Mourão, Republicanos, caracterizou como “indevida” a fala do ministro Luís Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal), no domingo, 24abr. Segundo o general, as Forças Armadas “não são crianças para serem orientadas”. A declaração ocorreu em entrevista ao jornal Gaúcha Zero Hora – e, aqui entre nós, as crianças não merecem a comparação.
 
Durante palestra no Brazil Summit Europe, seminário promovido pela Universidade Hertie School, da Alemanha, Barroso afirmou que “as Forças Armadas estão sendo orientadas para atacar o processo eleitoral e tentar desacreditá-lo”.
E Mourão mandou de volta: “A fala do ministro Barroso foi indevida, pois as Forças Armadas não são uma criança para serem orientadas. Em todo esse processo, elas têm se mantido à parte, sem manifestações de seus comandantes ou de seus integrantes”.
 
O ministro Barroso, que é ex-presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), não citou quem estaria orientando as Forças Armadas. O presidente Jair Bolsonaro, PL, porém, já questionou várias vezes a segurança das urnas eletrônicas.
Para Barroso, as Forças Armadas não irão sucumbir a esse movimento. “Tenho a firme expectativa de que as Forças Armadas não se deixem seduzir por esse esforço de jogá-las nesse universo indesejável para as instituições de Estado, que é o universo da fogueira das paixões políticas”, destacou.
Barroso rebateu qualquer suspeita de fraude no processo eleitoral. “Desde 1996 não tem nenhum episódio de fraude. Eleições totalmente limpas, seguras”, enfatizou.
Ele também destacou que o Brasil é um dos países que passam pela ascensão do que chamou de “populismo autoritário” e defendeu o papel das Supremas Cortes. “Elas são obstáculo ao populismo autoritário”, frisou.
 
Em nota, o Ministério da Defesa disse que a declaração de Barroso é “ofensa grave”. O órgão pontuou que “repudia qualquer ilação ou insinuação, sem provas, de que as Forças Armadas teriam recebido suposta orientação para efetuar ações contrárias aos princípios da democracia”. O comunicado oficial é assinado pelo ministro da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira.
“Afirmar que as Forças Armadas foram orientadas a atacar o sistema eleitoral, ainda mais sem a apresentação de qualquer prova ou evidência de quem orientou ou como isso aconteceu, é irresponsável e constitui-se em ofensa grave a essas instituições nacionais permanentes do Estado brasileiro. Além disso, afeta a ética, a harmonia e o respeito entre as instituições”, assinalou o general.
 
Não há nenhuma criancice nisso tudo. Vivemos um momento de forte tensão política, com um presidente de formação militar que fará de tudo para evitar a sua provável derrota na tentativa de reeleição. A defesa da democracia não é exatamente um dom dos militares. Ao contrário, na maioria das vezes eles têm marchado na direção oposta.
 
Leia também em Metrópoles e Brasil247.

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Daqui&Dali Publicidade 1200x90