17/02/2022 às 23h15min - Atualizada em 17/02/2022 às 23h15min

VOCÊ ESTÁ SENDO SEGUIDO, SABIA?

É O NOVO AIR-TAG DA APPLE...



Foi em uma noite de domingo, em setembro de 2021. Ashley Estrada estava na casa de um amigo em Los Angeles quando recebeu uma estranha notificação em seu iPhone: "AirTag detectado perto de você".
 
O AirTag é um disco de 3,2 centímetros com capacidade de rastrear localizações, que a Apple começou a vender no ano passado como "uma forma de um usuário poder controlar a localização de suas coisas".
Ashley Estrada, 24, não tinha um AirTag, e o mesmo se aplicava aos amigos que estavam com ela. A notificação em seu celular informava que o AirTag tinha sido detectado em posse dela pela primeira vez quatro horas antes. Um mapa com o histórico do AirTag mostrava o percurso irregular que Estrada tinha seguido pela cidade enquanto cuidava de um monte de tarefas.
"Senti-me muito violada", ela disse. "Queria saber quem estava me rastreando, qual era a intenção dessas pessoas. Fiquei assustada".
 
Ashley não é a única pessoa que passou por isso. Nos últimos meses, as pessoas têm postado mensagens no TikTok, Reddit e Twitter sobre terem encontrado AirTags em seus carros e objetos.
Existe crescente preocupação de que o aparelho possa estar sendo usado para permitir uma nova forma de perseguição, o que organizações de defesa de privacidade previram que ia acontecer quando a Apple colocou os dispositivos à venda em abril.+
The New York Times conversou com sete mulheres que acreditam terem sido rastreadas por meio de AirTags, entre as quais uma menina de 17 anos cuja mãe instalou o dispositivo clandestinamente em seu carro para ficar ciente de seu paradeiro.
Algumas autoridades começaram a observar com mais atenção a ameaça que os AirTags representam. A polícia da cidade de West Seneca, no estado de Nova York, recentemente alertou a comunidade sobre o potencial de rastreamento dos dispositivos, depois que um AirTag foi encontrado no para-choque de um carro.
 
A Apple cumpriu uma intimação para que prestasse informações sobre o AirTag envolvido nesse caso, o que pode levar a acusações, de acordo com a polícia de West Seneca.
E no Canadá, um departamento de polícia local anunciou que tinha investigado cinco incidentes que envolviam o uso de AirTags por ladrões, que colocavam os dispositivos "em veículos de alto preço, para que pudessem localizá-los e roubá-los mais tarde".
Pesquisadores acreditam que os AirTags, equipados com tecnologia Bluetooth, possam estar revelando um problema mais amplo relacionado ao rastreamento facilitado pela tecnologia. Os dispositivos emitem um sinal digital que pode ser detectado por aparelhos que empreguem o sistema operacional móvel da Apple. Esses aparelhos em seguida reportam à rede o local em que um AirTag foi identificado pela última vez.
 
Diferente de produtos semelhantes de rastreamento oferecidos por concorrentes como a Tile, a Apple acrescentou recursos para impedir abuso, o que inclui notificações como a recebida por Estrada, e um sistema que leva o aparelho a emitir apitos. (A Tile planeja lançar um recurso que impedirá o rastreamento de pessoas no ano que vem, disse um porta-voz da empresa.)
Mas os AirTags apresentam uma ameaça "unicamente perigosa", por conta da onipresença dos produtos da Apple, que permite monitoramento mais exato dos movimentos das pessoas, disse Eva Galperin, diretora de segurança cibernética na Electronic Frontier Foundation e pesquisadora do chamado "stalkerware", ou software de perseguição.
"A Apple transforma automaticamente cada aparelho equipado com iOS em uma parte da rede que os AirTags usam para reportar a localização de um AirTag", disse Galperin.
"A rede a que a Apple tem acesso é maior e mais poderosa do que a usada por outros rastreadores. É mais poderosa para rastreamento e mais perigosa quando usada por perseguidores."
 
A Apple não revela números de vendas, mas os minúsculos AirTags, vendidos por US$ 29, se provaram populares e vêm encontrando demanda firme desde seu lançamento.
Alex Kirschner, um porta-voz da Apple, afirmou em comunicado que a empresa leva a segurança dos clientes "muito a sério" e que "tem o compromisso de preservar a privacidade e segurança dos AirTags".
Ele disse que os pequenos dispositivos têm recursos que informam os usuários se um AirTag pode estar sendo carregado por eles sem que o saibam, e que impedem que agentes mal-intencionados usem um AirTag para fins prejudiciais.
"Se os usuários por acaso sentirem que sua segurança está em risco, são encorajados a contatar a polícia local, que pode trabalhar com a Apple a fim de oferecer qualquer informação disponível sobre o AirTag desconhecido", afirmou Kirschner.
 
Por falar nisso, o que será isso na sola do meu sapato?
 
Leia também na Folha.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »