05/03/2021 às 10h46min - Atualizada em 05/03/2021 às 10h46min

​EDUARDO PAES É ESPERTO

NÃO É DE ESQUERDA, MAS SE ENDIREITA...


São dois ex-ministros de Lula e um educador que formam o comitê que orienta Eduardo Paes nas decisões sobre a Covid-19. Por exemplo, na tomada de decisões relativas à pandemia do novo coronavírus, como as novas medidas restritivas anunciadas nessa quinta-feira, 4 - o  prefeito Eduardo Paes ouviu antes as opiniões de um grupo seleto: o Comitê Especial de Enfrentamento da Covid-19. Entre os notáveis que formam o time da prefeitura, destacam-se os de dois ex-ministros da Saúde do governo Lula: José Agenor Álvares da Silva e José Gomes Temporão. Outro nome que chama atenção é o do educador Carlos Alberto Pereira de Oliveira, professor da UERJ, o único da lista que não possui formação médica.

O Comitê é composto por 14 especialistas e foi oficializado já no dia 1º de janeiro, por meio do decreto 48.343, publicado no Diário Oficial, em substituição ao comitê científico que era consultado por Marcelo Crivella, que tinha dez integrantes fixos do comitê, sendo seis funcionários comissionados do município e quatro representantes de universidades e entidades médicas. Nenhum deles compõe o novo comitê, convocado por Eduardo Paes.

Do time de notáveis da atual gestão, apenas um tem cargo comissionado no município: o secretário municipal de Saúde Daniel Soranz, que preside o comitê. A lista é formada por dois representantes do Ministério da Saúde, professores universitários, representantes de entidades médicas públicas e privadas, profissionais liberais, o secretário estadual de Saúde e dois ex-ministros da Saúde.

São três as atribuições do comitê: 1) monitorar e avaliar o desempenho do SUS, na capital; 2) acompanhar, por meio de relatórios e indicadores, as atividades de vigilância, de atenção à saúde, de prevenção e de controle de doenças; 3) elaborar recomendações ao Centro de Operações de Emergência Covid-19 Rio.

São esses os 14 integrantes do Comitê Especial de Enfrentamento à Covid-19 da Prefeitura do Rio:

Daniel Soranz
Médico sanitarista e especialista em Medicina da Família e Comunidade,o atual secretário municipal de Saúde do Rio. Funcionário da Fiocruz, já ocupou a pasta entre julho de 2014 e dezembro de 2016, na gestão passada de Paes. Antes, esteve à frente da Subsecretaria de Atenção Primária, Vigilância e Promoção da Saúde. Entre outras ações, Soranz foi responsável por expandir a cobertura do programa de Saúde da Família durante a gestão Paes, com a contratação de equipes por intermédio de Organizações Sociais.
 
Alberto Chebabo
Vice-presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI). É infectologista da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), diretor da Divisão Médica (DMD) do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF/UFRJ), gerente médico do Grupo Dasa (que controla empresas como o Hospital Albert Einstein e o Laboratório Bronstein).
 
Alessandra Siqueira
Representante do Ministério da Saúde, onde atua na área de gestão pública. É doutora em clínica médica e mestre em cardiologia pela UFRJ. Praticante de esportes e maratonista, desenvolveu foco em cardiologia esportiva.
Carlos Alberto Chaves
Secretário estadual da Saúde desde setembro do ano passado. Foi superintendente de regulação de leitos no governo Sérgio Cabral. Foi diretor do Hospital Getúlio Vargas e do Hospital Adão Pereira Nunes. Por dez anos, foi supervisor do Gate-Saúde, Grupo de Apoio Técnico ao Ministério Público do Rio de Janeiro.
 
Carlos Alberto Pereira de Oliveira
Mais conhecido como Caó, é mestre em Educação e professor da UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) e não tem formação na área de medicina. É vice-diretor do Instituto Multidisciplinar de Formação Humana com Tecnologias da UERJ e pesquisador do LAÍS (Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Norte).
 
Daniel Becker
Formado em Medicina pela UFRJ e mestre em Saúde Pública pela Fiocruz. É pediatra do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da UFRJ. Em seu LinkedIn, afirma ter sido o primeiro médico brasileiro a trabalhar com Médicos sem Fronteiras (1988), na Tailândia. Também foi um dos criadores da Estratégia Saúde da Família, o maior programa do Ministério da Saúde.
 
Fábio Leal
Médico Infectologista, graduou-se em Medicina pela Universidade Federal do Paraná em 2003. Atualmente, é pesquisador do Instituto Nacional de Câncer (INCA), onde está à frente do Programa de Oncovirologia. Também é professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Caetano do Sul (USCS).
 
Gerson Oliveira Penna
Dermatologista, formado pela Universidade Federal do Pará em 1984, Gerson Penna é doutor em Medicina Tropical pela Universidade de Brasília (2002) e pós-doutor em Saúde Pública no Instituto de Saúde Coletiva na Universidade Federal da Bahia. Foi Diretor da Fiocruz Brasília, no período de 2011 a 2017.
 
José Agenor Álvares da Silva
Bioquímico e sanitarista brasileiro, ministro da Saúde no governo Lula, entre 2006 e 2007, e depois diretor da ANVISA. No governo Dilma, foi nomeado ministro da Saúde interino em fevereiro de 2016. Atualmente, é pesquisador da Fiocruz e integrante do Grupo Temático Vigilância Sanitária (GT Visa/Abrasco).
 
José Cerbino Neto
Formado em Medicina pela UFRJ, em 1997, mestrado em doenças infecciosas e parasitárias pela UFRJ (2003) e doutorado em epidemiologia pela Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz (2012). É pesquisador da Fiocruz desde 2006, e chefe do Laboratório de Pesquisa em Imunização e Vigilância em Saúde (LIVS) do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz) desde 2017.
 
José Gomes Temporão
Sanitarista, ministro da Saúde no governo Lula de 2007 a 2010. Foi secretário de Planejamento do INAMPS, presidente do Instituto INCA (Nacional do Câncer), presidente do Instituto Vital Brazil (IVB), sub-secretário Estadual de Saúde do Rio de Janeiro e sub-secretário municipal de Saúde do Rio de Janeiro. Atualmente, é Diretor Executivo do Instituto Sul-americano de Governo em Saúde da União de Nações Sul-Americanas (Unasul).
 
Marcelo Costa Velho
Professor da Escola de Medicina e Cirurgia da UniRio, mestre em Pesquisa Clinica em doenças Infeciosas pela Fiocruz-Ipec e doutorando em Ciências Biológicas (Genética).
 
Marcelo Lamberti
Representante do Ministério da Saúde no Rio, cardiologista, diretor de Gestão Hospitalar dos hospitais federais no Rio de Janeiro. Já coordenou o serviço de emergência do Hospital municipal Miguel Couto e da Rede Hospital Casa.
 
Rivaldo Venâncio
Formado em Medicina pela Universidade de Caxias do Sul, em 1982, possui mestrado em Medicina Tropical pela Fundação Oswaldo Cruz (1993), onde também completou doutorado em Medicina Tropical (1997) e pós-doutorado em Medicina Tropical com ênfase no estudo das doenças causadas por vírus (2007). Desde de 2017, é coordenador de Vigilância em Saúde e Laboratórios de Referência da Presidência da Fiocruz.
 
Infelizmente, no governo federal, o país só pode contar com um "médico": o dotô Bolsonaro...
 
Leia também no Globo.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »