26/11/2020 às 14h42min - Atualizada em 26/11/2020 às 14h42min

TRUMP VAI DISTRIBUIR PERDÕES

A FILA ESTÁ GRANDE...


 
É Thanksgiving (ou Dia de Ação de Graças). E, além de aumentar a caça aos perus, aumentam as especulações sobre quem Trump pode perdoar antes de entregar o cargo. O vice-presidente da campanha de Trump em 2016, Rick Gates, diz que o presidente "sabe o quanto aqueles de nós que trabalharam para ele sofreram".
 
Em meio a protestos generalizados sobre o perdão de Donald Trump a Michael Flynn (ex-conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos), surgiram especulações sobre quem poderia ser o próximo a obter clemência do presidente derrotado.
 
Rick Gates, vice-presidente da campanha de Trump em 2016, disse ao New York Times que o presidente "sabe o quanto aqueles de nós, que trabalharam para ele, sofreram, e espero que ele leve isso em consideração se e quando ele conceder perdões".
 
Gates foi um dos muitos assessores de Trump condenados na investigação do ex-conselheiro especial Robert Mueller sobre a interferência nas eleições russas e as ligações entre Trump e Moscou. Depois de se declarar culpado de fraude financeira e mentir para os investigadores, ele foi condenado a 45 dias de prisão.
 
Gates também disse ao Times que sua motivação para criticar Mueller em um livro recente “não era pedir perdão; era para expor a verdade sobre a investigação da Rússia”.
 
Michael Flynn, um general aposentado que foi demitido da Agência de Inteligência de Defesa por Barack Obama em 2014, tornou-se substituto de campanha de confiança de Trump. Mas Trump o demitiu como conselheiro de segurança nacional, depois de apenas 24 dias no cargo, por mentir ao vice-presidente Mike Pence sobre contatos com autoridades russas.
 
Ele se declarou culpado de mentir para o FBI, mas não foi condenado antes de Trump o perdoar nesta quarta-feira, 25, dizendo: "Tenha uma ótima vida, General Flynn!"
 
Trump já comutou uma sentença de mais de três anos contra Roger Stone, um aliado de longa data, por obstrução, mentira ao Congresso e intimidação de testemunhas.
 
O ex-coordenador de campanha Paul Manafort está em prisão domiciliar com sentença de sete anos por fraude. George Papadopoulos, conselheiro de política externa, foi condenado a 14 dias de prisão após se declarar culpado de mentir para o FBI. Michael Cohen, ex-advogado e “ocultador de problemas” para Trump, foi condenado por crimes, incluindo o de mentir para o Congresso e de orquestrar subornos, e está cumprindo pena de três anos em casa. Como ele definitivamente se voltou contra o presidente, um perdão parece improvável.
 
Papadopoulos montou uma candidatura malsucedida ao Congresso e também publicou um livro. Ele disse ao Times: “É claro que ficaria honrado em ser perdoado”.
 
Fora da investigação de Mueller, o ex-presidente-executivo da campanha e estrategista da Casa Branca Steve Bannon foi acusado de fraude relacionada à arrecadação de fundos para um muro de fronteira (provavelmente no México). Rudy Giuliani, o advogado do presidente e “farejador” em processos eleitorais, está supostamente sob investigação sobre possíveis violações da lei de lobby. Elliott Broidy, um captador de recursos para Trump, declarou-se culpado de acusações de lobby.
 
Em agosto, Patrick Cotter, um ex-promotor federal que ajudou a condenar o chefão da máfia John Gotti, disse ao Guardian: “Acredito que seja sem precedentes em qualquer governo dos EUA que tantas pessoas do círculo mais próximo do presidente tenham demonstrado ser vigaristas e criminosos.
 
“Embora as administrações anteriores tivessem sua parcela daqueles que tentavam lucrar pessoalmente e daqueles que estavam dispostos a infringir a lei para servir aos interesses políticos do presidente, o que é único na administração Trump é o grande número de pessoas, em contato direto com o presidente (muitas vezes por anos), que se revelaram fraudadores declarados, para quem o crime aparentemente faz parte de seu estilo de vida e caráter”.
 
Trump perdoou aliados, incluindo Joe Arpaio e Bernard Kerik, e os observadores acham que ele pode até tentar se perdoar. No entanto, não está claro que tal movimento seria possível e, se fosse, não se aplicaria a casos em nível estadual, como os de Nova York relativos a questões tributárias e financiamento de campanha.
 
Trump não admitiu a derrota para Joe Biden, mas perdeu o colégio eleitoral por 306-232 e o voto popular por 6 milhões de votos e deixará o cargo em 20 de janeiro. A disputa por perdões é uma característica comum dos últimos dias de qualquer presidência. Em um dia de dezembro de 2016, Barack Obama emitiu 78 indultos e comutou 153 sentenças federais.
 
O Times também informou que Jared Kushner, genro de Trump e conselheiro-chefe, está liderando uma equipe exclusiva "com o objetivo de anunciar até centenas de comutações para criminosos agora na prisão por crimes que variam de não-condenações violentas relacionadas a drogas até fraude e lavagem de dinheiro”.
 
A maioria desses perdões seria menos controversa do que aquela entregue a Flynn. No entanto, entre os que lutam pelo perdão está Joseph Maldonado-Passage. Mais conhecido como Joe Exotic, é o personagem principal do documentário de sucesso da Netflix Tiger King. Ele recebeu uma sentença de 22 anos por tentar contratar um assassino para matar um rival.
 
Flynn mantém apoiadores influentes na direita política. O conselho editorial do Wall Street Journal pediu seu perdão como "um ato de justiça atrasado que termina com quatro anos de assédio político, processo injustificado e abuso judicial".
 
Os críticos apontaram para a confissão de culpa de Flynn e o fato de que, ao contrário de uma declaração da secretária de imprensa da Casa Branca, Kayleigh McEnany, um perdão não implica inocência.
Democratas sêniores, incluindo a presidente da Câmara, Nancy Pelosi; o líder da minoria no Senado, Chuck Schumer; e o presidente da inteligência da Câmara, Adam Schiff, estavam entre os que condenaram o perdão de Flynn como um grave abuso de poder.
 
Em um tweet, o ex-promotor federal e analista da CNN Elie Honig expôs os fatos do caso.
“Fatos: Michael Flynn mentiu para o FBI sobre a Rússia. Flynn se declarou culpado duas vezes. Trump tentou encerrar o caso e lançou publicamente um perdão. Flynn cooperou com Mueller e então parou. O procurador-geral William Barr tentou encerrar o próprio caso do Departamento de Justiça, mas o juiz resistiu. Trump perdoou Flynn. ”
 
A sensação que se tem é que Trump não tinha exatamente uma equipe de governo – tinha uma “quadrilha de governo”...


Leia também em The Guardian.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »