08/08/2020 às 15h05min - Atualizada em 08/08/2020 às 15h05min

​DOM PEDRO CASALDÁLIGA, O BISPO DO POVO, PARTIU

LULA: “DOM PEDRO VIVEU COMO NOS ENSINOU JESUS CRISTO”.


O Brasil perde um dos grandes defensores dos mais pobres, dos indígenas e dos Direitos Humanos. Depois de lutar muito pela vida, Dom Pedro Casaldáliga, Bispo Emérito da Prelazia de São Félix do Araguaia, no Mato Grosso, nos deixou, na manhã deste sábado, 8 de agosto. Dom Pedro, 92 anos, estava internado na Santa Casa de Batatais, São Paulo, para tratamento de uma grave pneumonia. Todos os testes para detectar se ele estava contaminado com o cororonavírus deram negativo. Dom Pedro sofria de Parkinson.
 
Um dos fundadores da Teologia da Libertação, corrente teológica cristã que surgiu na América Latina, depois do Concílio Vaticano II e da Conferência de Medellín, que parte da premissa que o Evangelho exige a opção preferencial pelos pobres, Pere Casaldáliga Pla nasceu em Barcelona, Espanha, em 16 de fevereiro de 1928. Filho de camponeses, vivia no Brasil desde a década de 1960. A defesa dos povos indígenas e a luta contra a violência no campo, transformaram Dom Pedro Casadáliga no “Bispo dos Pobres”. Ele participou da fundação da  Pastoral da Terra e do Conselho Indigenista Missionário, organização ligada à Igreja Católica.
Assim que a morte de Dom Pedro foi confirmada, as homenagens se multiplicaram na internet. Outro expoente da Teologia da Libertação no Brasil, Leonardo Boff, foi um dos primeiros a se manifestar. “Dom Pedro Casaldáliga acabou de nascer para Deus. Dizia: a alternativa cristã é a vida ou a ressurreição. Vive na memória de todos os pobres que defendeu, dos martirizados pelo latifúndio, nos libertos da opressão e em nossa fé e em nossa esperança que ele nos fortaleceu”, escreveu Boff, que foi expulso da Igreja Católica depois de muita perseguição por sua luta em defesa dos pobres, na década de 80.
Dom Pedro Casaldáliga também sofreu pressões da ditadura militar, foi preso e chegou a sofrer muitas ameaças de morte, entre elas, por defender os índios Xavante de Marãiwatsédé na retomada de suas terras, que foram ocupadas por invasores.
“Registro com tristeza a morte de um sacerdote que dedicou a vida à defesa da justiça social e da democracia. Dom Pedro Casaldáliga, bispo emérito de São Félix do Araguaia. Ele se foi, mas suas palavras seguem ecoando. ‘Todo opressor é obsessivo’, disse ele em uma entrevista antiga, que só foi divulgada recentemente. Não poderia ser mais atual”, lembrou o senador Humberto Costa (PT-PE).
 
O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB-MA), ressaltou a força de Dom Pedro. “Minhas homenagens a Dom Pedro Casaldáliga, um grande e verdadeiro patriota do povo brasileiro, que agora está no Reino”.
O presidente do PSOL, Juliano Medeiros, escreveu. “Acabo de receber a confirmação da morte de Dom Pedro Casaldáliga, bispo emérito de São Félix do Araguaia e grande nome em defesa da democracia, da justiça social e da liberdade. A reunião do Diretório Nacional do PSOL, que está acontecendo agora, será dedicada a ele”, avisou.
A deputada federal Jandira Feghali também lamentou a morte de Dom Pedro Casaldáliga. “Acordei com a notícia do falecimento do bispo Pedro Casaldáliga. Pedro foi um dos maiores defensores dos direitos humanos. Lutou contra a ditadura, a violência no campo e chegou a ser marcado para morrer por tudo isso. O campo progressista fica menor e mais triste neste sábado.”
No mesmo tom foi a homenagem do  deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS). “Dom Pedro Casaldáliga – Presente. Hoje o Brasil perde um lutador que dedicou sua vida em prol daqueles que mais precisam”. Também do Rio Grande do Sul veio a homenagem da deputada federal Maria do Rosário (PT-RS). “Dom Pedro Casaldáliga, muito obrigada por sua existência. Vá em paz. Mas nos deixe sua bênção, sua paz. O senhor que viveu as palavras de Cristo, como Jesus, nos deixe sua paz. Precisamos muito, Dom Pedro”, pediu a deputada também muito perseguida pelos grupos fascistas.
 
O povo que tanto Dom Pedro Casaldáliga defendeu vai poder prestar as homenagens mais que merecidas ao amigo que partiu. A Prelazia de São Félix do Araguaia, a Congregação dos Missionários Filhos do Imaculado Coração de Maria (Claretianos) e a Ordem de Santo Agostinho (Agostinianos) já divulgaram como vai ser o velório e o enterro. Segue a nota.
O velório acontecerá em três locais:
1 - Em Batatais - SP
O corpo de Dom Pedro Casaldáliga, CMF, será velado, neste dia 8 de agosto de 2020, a partir das 15 horas na capela do Claretiano - Centro Universitário de Batatais, unidade educativa dirigida pelos Missionários Claretianos, situada à rua Dom Bosco, 466, Castelo, Batatais, São Paulo, Brasil.
A missa de exéquias será celebrada, em Batatais, no dia 09 de agosto de 2020 às 15h, no endereço acima e será aberta ao público em geral, além de ser transmitida ao vivo pelo link https://youtu.be/spto8rbKye0. O link estará aberto para que outros veículos de comunicação possam retransmitir. 
2 - Em Ribeirão Cascalheira - MT
O corpo de Dom Pedro Casaldáliga, CMF, será velado no Santuário dos Mártires, a partir do dia 10 de agosto, sem previsão de horário de chegada do corpo.
3 - Em São Félix do Araguaia – MT
 
O corpo de Dom Pedro Casaldáliga, CMF, será velado no Centro Comunitário Tia Irene. O sepultamento será em São Félix do Araguaia.
 
SEM PREVISÃO DE DIA, POIS ANTES PASSARÁ POR RIBEIRÃO CASCALHEIRA.
O vereador do PT do Rio de Janeiro, Reimont, que  abandonou a batina mas jamais a luta em defesa dos pobres e oprimidos, lembrou o amigo. “São Francisco chamou a morte de irmã e a saudou quando veio ao seu encontro. “Louvado sejas meu Senhor, pela irmã, a morte corporal”.
 
Hoje foi a vez de Pedro Casaldáliga, o bispo de chapéu de palha, de anel de tucum, de cajado de agricultor, de vestes simples como a do seu povo do Araguaia. Certamente Pedro a saudou também como quem encontra uma irmã mais velha a conduzi-lo para o seu alvo definitivo, a terra sem males, o coração amoroso de Deus. Quem conheceu Pedro e recebeu seu abraço?
Quem ouviu sua voz rouca profetizando do jeito dos pobres e ao lado deles?
Quem sonhou a igreja como ele a sonhou?
Quem participou de suas utopias?
Hoje é festa no céu, no Araguaia, na terra sem males de Pedro.
O coração amoroso de Deus recolheu para si aquele que “Combateu o bom combate, acabou a carreira e guardou a fé”. 2Tm4,7. Nós, enquanto não somos recolhidos, continuemos as trilhas de Pedro. Sua vida, suas ideias, seu compromisso com os pobres, precisam continuar vivos em nós.
Viva Pedro que vive no coração de Deus e de seu povo.
Viva o bispo dos pobres, o arauto da terra sem males.
Obrigado, Dom Pedro Casaldáliga”, agradeceu Reimont.
O ex-presidente Lula, amigo de longa data de Dom Pedro Casaldáliga, divulgou uma emocionante homenagem. “Dom Pedro Casaldáliga viveu como nos ensinou em Jesus Cristo.
08 de agosto de 2020


(Foto: Cebi)

Dom Pedro Casaldáliga viveu e praticou a fé e o amor que nos ensinou Jesus Cristo. Teve solidariedade e compromisso até o fim da vida com os desvalidos, a democracia, a liberdade, a natureza e os direitos humanos. Nascido na Catalunha, lutou pelo Brasil e seu povo quando muitos brasileiros se omitiram, enfrentando a ditadura e latifundiários. Tantas vezes ameaçado de morte, faleceu de causas naturais aos 92 anos cercado do amor de todos aqueles que ajudou durante a vida.
Nossa terra, nosso povo, perde hoje um grande defensor e exemplo de vida generosa na luta por um mundo melhor, que nos fará muita falta.
Permanece entre nós seu legado, seus ensinamentos e que eles nos ajudem a proteger nosso Brasil nesse momento tão difícil.
Meus sentimentos e solidariedade aos amigos, companheiros e a todos nós que aprendemos com Dom Pedro Casaldáliga a amar e defender o próximo”.

Luiz Inácio Lula da Silva
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »