12/05/2022 às 12h25min - Atualizada em 12/05/2022 às 12h25min

PRIMEIRO SURTO DE CORONAVÍRUS NA COREIA DO NORTE.

ORDENADA QUARENTENA



Tudo que vem da Coreia do Norte tem algo de surpreendente ou misterioso. Talvez pela distância (será?), talvez por uma política de mais restrições adotada pelo país.
Kim Jong Un (líder supremo do país, desde 2011, e líder do Partido dos Trabalhadores da Coreia, desde 2012) convocou quarentena nacional para combater o vírus 'malicioso' após a subvariante BA.2 ser detectada em Pyongyang.
 
A confirmação do primeiro surto de Covid-19 na Coreia do Norte aumenta os temores de um desastre humanitário em um dos poucos países não vacinados do mundo, à medida que entra em uma quarentena nacional.
 
A KCNA (Agência Central de Notícias da Coreia) informou que as autoridades detectaram uma subvariante da altamente transmissível Ômicron, BA.2, em pessoas em Pyongyang.
“Houve o maior incidente de emergência no país, com uma falha em nossa frente de quarentena de emergência, que foi mantida em segurança nos últimos dois anos e três meses, desde fevereiro de 2020”, disse a emissora estatal, que ainda acrescentou que os esforços “máximos” de controle estavam sendo impostos em Pyongyang.
 
Ela relatou mais tarde que o líder supremo da Coreia do Norte, Kim Jong Un, havia “convocado todas as cidades e condados de todo o país para bloquear completamente suas áreas” com fábricas, empresas e residências fechadas e reorganizadas “para bloquear de maneira perfeita o vírus malicioso”.
 
O Norte, que fechou suas fronteiras em janeiro de 2020, foi um dos poucos países da Terra a não relatar um surto de COVID-19, embora os analistas tenham há muito tempo expressado dúvidas sobre os números oficiais, dada a longa e porosa fronteira terrestre do país com a China.
As autoridades da China estão atualmente lutando contra dezenas de surtos do vírus, incluindo na cidade fronteiriça de Dandong, que é o principal elo comercial do Norte com seu vizinho. Pyongyang suspendeu a carga ferroviária de entrada da China no final de abril como resultado dos surtos, apenas quatro meses após a retomada do serviço, de acordo com o NK News.
 
"Período de incerteza"
O governo da Coreia do Sul respondeu ao surto de coronavírus da Coreia do Norte com preocupação, dizendo esperar que a doença “não se espalhe mais” e que “a situação seja estabilizada cedo”.
Também levantou a possibilidade de apoio à Coreia do Norte, dizendo que “a cooperação intercoreana em quarentena e saúde pode ser promovida a qualquer momento do ponto de vista humanitário” em meio a sanções globais ao país por causa de seu programa nuclear e de mísseis.
Mas analistas disseram que a admissão pública do surto por Pyongyang não era necessariamente um sinal de que Kim seria passível de assistência externa, embora sinalizasse a gravidade da situação.
A Coreia do Norte provavelmente seguiria controles tão draconianos quanto os da China, que está adotando uma estratégia de “zero COVID”, apesar da preocupação de que as restrições possam não ser sustentáveis.
“Pyongyang provavelmente dobrará os bloqueios, mesmo que o fracasso da estratégia de zero COVID da China sugira que essa abordagem não funcionará contra a variante Ômicron”, disse Leif-Eric Easley, professor da Universidade Ewha em Seul, em comentários por e-mail.
“A Coreia do Norte está entrando em um período de incerteza na gestão de seus desafios domésticos e isolamento internacional. O regime de Kim faria bem em engolir seu orgulho e buscar rapidamente doações de vacinas e terapias”.
 
O Norte rejeitou repetidamente ofertas de vacinas da iniciativa global de vacinação apoiada pelas Nações Unidas, e grupos humanitários alertaram que teria dificuldades para lidar com um grande surto de coronavírus, devido ao seu sistema de saúde em ruínas.
“O sistema médico norte-coreano é antiquado, frágil e drasticamente mal equipado para lidar com um grande surto”, disse Tim Peters, um trabalhador humanitário cristão que administra a organização Helping Hands Korea em Seul. “O fato de 40% da população precisar de assistência alimentar fala muito sobre o sistema imunológico fraco de pelo menos 11 milhões de cidadãos norte-coreanos. Em suma, a infraestrutura de saúde desatualizada e a população altamente vulnerável é uma catástrofe esperando para acontecer. Espero sinceramente que não.”
 
Antes da pandemia, a ONU estimava que mais de um quarto dos norte-coreanos sofria de desnutrição. Em julho, a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação disse que o país estava lutando para se alimentar.
Kim, falando em uma reunião do Politburo do Partido dos Trabalhadores, disse na quinta-feira que o Norte “certamente superará a situação atual” a todo custo e disse que, apesar dos bloqueios, as autoridades devem realizar o plano de desenvolvimento econômico e os projetos de construção do país.
Analistas disseram que as restrições da Coreia do Norte podem aumentar o sofrimento de seu povo.
Alastair Morgan, que serviu como embaixador do Reino Unido no Norte entre 2005 e 2008, disse que se as autoridades em Pyongyang impedirem “todas as viagens entre regiões e locais, isso provavelmente terá graves consequências para os cidadãos”.
Ele disse à Al Jazeera: “Quando eu estava lá, houve alguma dependência do transporte inter-regional de alimentos e outras provisões, embora isso possa ter mudado até certo ponto sob as medidas da RPDC. Também vai restringir o acesso dos cidadãos a clínicas e hospitais".
 
A Coreia do Norte realmente é muito fechada e talvez tenha suas razões. Infelizmente, deixou uma brecha para o coronavírus...
 
Musun Kim contributed to this report from Seoul, South Korea.
AL JAZEERA AND NEWS AGENCIES

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »