10/03/2021 às 08h17min - Atualizada em 10/03/2021 às 08h17min

RACISMO REAL?

A RAINHA DISSE QUE CUIDA DO ASSUNTO


Palácio de Buckingham quebra o silêncio sobre as alegações de Meghan e Harry Oprah
 
A questão da alvura (ou será brancura?) está dando um colorido especial ao dia a dia da pálida Família Real britânica. Tudo porque a morenaça (ou será negraça? mulataça? queimadaça da praia?) Meghan e seu marido, o príncipe Harry, deram entrevista no programa de Oprah Winfrey (apresentadora, jornalista, atriz, psicóloga, empresária, repórter, produtora, editora e escritora norte-americana, vencedora de múltiplos prêmios Emmy por seu programa, The Oprah Winfrey Show, o talk show com maior audiência da história da televisão norte-americana).
 
A rainha teria feito o real comentário de que "as questões levantadas, particularmente de raça, são preocupantes", mas que seriam tratadas em particular, no seio da Família Real britânica – como se isso fosse realmente possível...
 
A rainha teria mostrado uma real “preocupação” Real com as alegações de racismo e teria mostrado tristeza ao saber exatamente o quanto era desafiador para o casal a vida como membros da realeza.
 
Foi na noite de terça-feira que o Palácio de Buckingham finalmente quebrou o silêncio sobre as alegações feitas por Meghan e Harry na entrevista com Oprah Winfrey. Meghan revelou que ficou com um sentimento de suicídio, e o casal disse que um membro da família real chegou a perguntar sobre o quão escura seria a pele de seu filho por nascer.
 
"Harry, Meghan e Archie sempre serão membros da família muito queridos." A declaração real ocorreu após dois dias de conversas sobre a crise entre membros da realeza e assessores do palácio sobre a melhor forma de lidar com as consequências públicas da entrevista.
O Palácio de Buckingham não teve nenhum aviso prévio do que o casal disse antes da transmissão na CBS na madrugada de segunda-feira, que foi assistida por mais de 11 milhões de telespectadores no Reino Unido, elevando sua audiência transatlântica para quase 30 milhões.
As alegações do casal, particularmente sobre questões raciais e de saúde mental, levaram a pedidos de investigação pelo palácio. A declaração do palácio indica que a rainha favorece o envolvimento privado com o casal como o melhor caminho a seguir.
O casal concordou com a entrevista com Winfrey para compartilhar “sua verdade”. A redação da declaração da Rainha indica que outros membros da família real podem ter verdades diferentes, mas não há nenhum indício de crítica ao casal nisso.
Não está claro a quais questões a Rainha se refere quando diz que "as lembranças podem variar". Podem se referir a observações sobre a cor da pele de Archie, ou, talvez, sobre o fato de o casal acreditar que o protocolo deveria ser alterado para negar ao filho o título automático do príncipe quando Charles ascender ao trono.
A Rainha enfatizou seu afeto pelo casal, com calorosa afirmação de que eles permaneceriam membros “muito queridos” de sua família, como ela fez em todas as suas declarações oficiais sobre o assunto.
A declaração de três parágrafos e 61 palavras não continha nenhuma condenação de eventos específicos alegados como racistas, embora a Rainha reconhecesse a raça como uma das principais questões levantadas. Nem declarou a "verdade" do casal como absoluta, sugerindo que o palácio contestou algumas das reivindicações.
 
Entre as afirmações mais chocantes na entrevista de duas horas na TV estava a alegação de que um membro da família real havia levantado com Harry "preocupações e conversas" sobre a cor da pele de Archie quando ele nascesse.
 
Meghan sugeriu que o fato de Archie ser mestiço significava que ele não tinha o título de príncipe e a proteção de segurança que acompanhava o título.
 
Sobre a vida dentro do palácio, Meghan disse que "não queria mais estar viva". Questionada se ela havia pensado em suicídio, ela respondeu: “Sim, isso foi muito, muito claro e muito assustador”. Ela havia procurado ajuda na “instituição”, disse ela, mas foi negada.
 
Enquanto isso, Harry criticou seu pai, dizendo que se sentiu "decepcionado" por Charles e acrescentando: "Muita mágoa aconteceu". Ele acusou Charles de não atender suas ligações após o anúncio público do casal de que eles deveriam renunciar ao trabalho da realeza e alegou que o casal havia sido cortado financeiramente.
 
Após a entrevista, uma pesquisa instantânea do YouGov revelou que o público britânico estava dividido sobre se o casal era tratado de forma justa ou injusta pela família real. Revelou-se que 32% acreditavam que foram tratados de forma injusta, enquanto uma proporção igual não o fez e 36% não sabiam. Quase metade (48%) dos jovens de 18 a 24 anos ficou do lado de Harry e Meghan, enquanto 55% dos maiores de 65 anos apoiaram a Rainha.
 
Realmente...
 
Leia mais em The Guardian.

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Daqui&Dali Publicidade 1200x90