27/03/2020 às 06h28min - Atualizada em 27/03/2020 às 06h28min

A DOR ESTÁ APENAS COMEÇANDO.

CORONAVÍRUS ABALA A MAIOR ECONOMIA DO MUNDO

 
"Isso está me deixando em depressão, não sei se ainda vou ter um emprego."
  
O recorde de 3,3 milhões de reivindicações de desemprego relatado na quinta-feira marca o início de uma crise econômica enfrentada por trabalhadores e empresas americanas - uma queda, dizem os especialistas, que só terminará quando a pandemia de coronavírus estiver contida.
 
A economia entrou em uma recessão profunda que reflete a Grande Depressão da forma como devastou tantas empresas e consumidores, provocando demissões em massa e ameaçando desencadear uma reação em cadeia de falências e perdas financeiras para empresas grandes e pequenas.
O que diferencia essa crise é a rapidez com que o vírus - e a dor econômica - se espalharam. Ainda é uma questão em aberto se isso se tornará uma queda duradoura ou uma recessão de curta duração.
 
Economistas dizem que as reivindicações de desemprego relatadas na quinta-feira - que refletem os trabalhadores que procuraram seguro-desemprego na semana passada - são o início de um aumento imenso no desemprego que pode resultar em mais de 40 milhões de americanos perdendo seus empregos em meados de abril.

Embora ainda não existam números oficiais, a taxa de desemprego provavelmente saltou para pelo menos 5,5%, diz a economista Martha Gimbel, da Schmidt Futures, um nível não visto desde 2015 e acima dos 3,5% em fevereiro.
 
"A parte mais aterrorizante disso é que provavelmente é apenas o começo das demissões", disse Gimbel.
É provável que essa carnificina seja parcialmente melhorada por um projeto de estímulo de US $ 2,2 trilhões que o Senado aprovou na noite de quarta-feira e a Câmara pretende aprovar sexta-feira.
 
O projeto de lei, que concede à maioria dos americanos cheques no valor de US $ 1.200 (cerca de 6 mil reais) ou mais e fornece bilhões em empréstimos de baixo custo para empresas, provavelmente fornecerá uma tábua de salvação para trabalhadores e empresas que enfrentam uma devastação, mas não impedirá uma recessão grave nem será suficiente para sustentar trabalhadores, se a crise de saúde do coronavírus durar mais de um mês ou dois.
 
“Todos pensamos em uma recessão como tendo uma base econômica, mas isso não tem nada a ver com economia. Trata-se literalmente de tentar ficar longe das pessoas”, disse Aparna Mathur, estudiosa do American Enterprise Institute.

Grande parte do país tomou a decisão de parar a metade da economia e incentivar a maioria dos trabalhadores a ficar em casa, em um esforço para salvar o maior número possível de vidas.

LaTonua Bowens perdeu o emprego no Olive Garden em Shreveport, La., há uma semana e meia. Ela recebeu a ligação de seu chefe quando saía do Target de mãos vazias, após uma tentativa malsucedida de encontrar papel higiênico e desinfetante. Seu chefe disse-lhe para solicitar o seguro-desemprego, porque ninguém sabe quanto tempo vai durar.
Atordoada, Bowens dirigiu-se ao estacionamento do Olive Garden, onde lamentou com outra cozinheira demitida, que também havia ido ao restaurante porque também não podia acreditar na perda do emprego. Elas estavam sentadas em seus carros com as janelas abaixadas, tentando entender como essa queda repentina aconteceu.
 
Líderes da Câmara buscam acelerar pacote de alívio de US $ 2,2 trilhões
 
"Isso está me deixando em depressão", disse Bowens. "Estou preocupada se ainda vou ter um emprego. Estou no meu trabalho há 10 anos."
Bowens diz que voltou para casa e passou horas solicitando a ajuda-desemprego da Louisiana porque o site era muito lento. Trabalhadores recém-desempregados em todo o país disseram em entrevistas que demoravam horas, ou até dias, em alguns casos, para fazer uma solicitação, porque os sites estavam muito lentos ou completamente inativos.
Quando ela se inscreveu inicialmente, a Louisiana ainda exigia que as pessoas que procuravam ajuda-desemprego provassem que estavam procurando ativamente trabalho, mesmo na pandemia. O estado agora desistiu dessa exigência. Bowens e seu marido, um técnico de reparos, estão desempregados, mas ainda não receberam nenhum pagamento. Bowens só quer seu antigo emprego de volta.
"Eu não sou o tipo de pessoa que fica sentada em casa", disse Bowens. “Eu não sou uma cozinheira qualquer. Tenho experiência. Tenho currículo. Eu posso ser uma anfitriã. Eu aprendi tudo que os empregos têm.”
 
Atualmente, o cheque médio de subsídio de desemprego é de US $ 385 (cerca de 2.000 reais) por semana, menos da metade do salário semanal típico dos Estados Unidos. A quantia está prevista para aumentar mais US $ 600 (cerca de 3.000,00 reais) por semana, assim que Trump assinar um aumento substancial destinado a ajudar os trabalhadores à medida que são forçados a ficar em casa.
 
Mas há a preocupação de o dinheiro não chegar a tempo. Alguns estados acabaram com o prazo de uma semana antes do primeiro pagamento, mas outros não. O marido de Bowen toma nove comprimidos por dia para pressão alta e outros problemas. Ele está atualmente racionando-os, pois o casal se preocupa em esticar suas finanças.
 
Mesmo em empresas que são consideradas "essenciais" e permanecem abertas, a vida mudou drasticamente. Scott DeHenau, que administra uma empresa de embalagens industriais chamada Pak-Rite em Wixom, Michigan, diz que sua empresa está aberta porque trabalha para as indústrias médica e de defesa. Mas DeHenau quase deseja que estivesse fechada.
Todos os funcionários agora têm suas temperaturas testadas no caminho para o armazém. Ele teve longas conversas com cada trabalhador sobre se eles deveriam correr o risco de vir ao trabalho. Eles agora executam dois turnos e determinam que os funcionários se afastem cerca de três metros um do outro. Entre os turnos, eles higienizam toda a instalação - maçanetas, superfícies, banheiros, ferramentas.
Apesar de tudo isso, os negócios caíram 40% em relação ao mesmo período do ano passado. Alguns clientes estão cancelando no último minuto. Os suprimentos da Ásia secaram e, às vezes, as entregas de fornecedores ou de seus clientes não podem ser feitas, pois as empresas de caminhões não têm capacidade ou motoristas suficientemente saudáveis.
 
“O coronavírus realmente deu um safanão em nossas vidas. Não somos uma dessas empresas que possui muitas reservas de caixa”, afirmou DeHenau. "Estamos dia a dia aqui. São muitas noites agitadas."
DeHenau tentou um empréstimo especial para pequenas empresas nesta semana, mas o site estava tão ocupado que ele só conseguiu criar um login antes de congelar. Até agora, ele só teve que demitir um de seus 30 funcionários, mas todo mundo está se preparando para mais, se a situação não melhorar em breve.
Michigan é um dos 21 estados que disse a todos os funcionários não essenciais para ficar em casa. Os negócios de DeHenau foram fundados em 1946 por seu avô, e ele não quer deixar o legado ir por corona baixo.
 
"Quanto menor a empresa, mais danos isso causará", disse Joseph Brusuelas, economista-chefe da RSM, empresa de auditoria especializada em empresas de médio porte. "O que ouvimos de clientes menores é que para alguns deles é tarde demais."
Brusuelas também está observando atentamente o mercado imobiliário comercial como um bom indicador de se a desaceleração está se transformando em algo que será difícil de recuperar. A Cheesecake Factory parou de pagar aluguel em todas as suas propriedades em todo o país, e muitos empresários dizem que podem fazer o mesmo porque a ajuda do governo provavelmente não chegará a tempo para os pagamentos em 1º de abril. Os estoques de imóveis comerciais caíram até 60% neste ano.
 
Outro sinal de alerta são as empresas que começam a reduzir os salários. A Occidental Petroleum está reduzindo todos os salários dos seus trabalhadores nos EUA em 30%, e muitas empresas menores dizem que estão considerando algo semelhante, considerando que é melhor do que demissões. Essas reduções salariais são outra maneira pela qual a crise está mudando rapidamente a trajetória da economia após anos de ganhos constantes e provavelmente dificultando o retorno das pessoas aos seus níveis de gastos anteriores, mesmo se mantivessem seu emprego.
Também é provável que os números de pedidos de desemprego da próxima semana e da semana seguinte sejam reveladores. Embora 3,3 milhões de novos pedidos de benefícios na semana passada tenham sido um número chocante, ele representa apenas uma fração do número de pessoas cujos empregos foram cortados nessa recessão instantânea até agora.

Pam Massey, cabeleireira em Gig Harbor, Washington, não corta o cabelo de ninguém desde 13 de março. Sua renda desapareceu, mas ela não conseguiu solicitar a ajuda-desemprego de seu estado porque é tecnicamente autônoma. Trabalhadores que atuam por conta própria e pessoas que trabalham apenas por alguns meses geralmente não têm direito a ajuda-desemprego do governo.
O projeto do Senado expande enormemente quem pode obter benefícios para incluir trabalhadores autônomos como Massey, mas ela já perdeu meio mês de renda e precisa aguardar a aprovação da Câmara de seu estado para implementar a mudança.
“Estou preocupada com minha hipoteca. Estava tentando me preparar para a aposentadoria, agora é melhor esquecer" - disse Massey. "Mas se não pararmos o vírus agora, ele continuará, só Deus sabe quanto tempo. Vamos ter muito sofrimento pela frente."
 
Trump levantou a hipótese de reabrir partes do país até a Páscoa, mas economistas e especialistas em saúde temem que isso possa causar mais perdas de vidas e até mesmo prolongar a recessão se os casos de coronavírus aumentarem novamente.
Em sua primeira aparição na televisão na manhã de quinta-feira, o presidente do Federal Reserve, Jerome H. Powell, disse ao programa "Today" da NBC que o país "já pode estar em recessão", mas tornar o país seguro deve ser a principal preocupação.

"A primeira tarefa é controlar o vírus, e depois retomar a atividade econômica", afirmou.
 
Por Heather Long, 26 de março de 2020 às 20:51 GMT-3. Andrew Van Dam e Alyssa Fowers contribuíram.
The Washinton Post

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »