28/12/2020 às 07h36min - Atualizada em 28/12/2020 às 07h36min

​SAÚDE INGLESA DESCOBRE O ÓBVIO:

VIVER NO APERTO FAZ MAL À SAÚDE...


A Fundação Saúde britânica fez uma pesquisa e concluiu que moradias superlotadas ajudaram a espalhar o coronavírus (Covid-19) na Inglaterra e podem ter aumentado o número de mortes.
 
Descobriram (!) que pessoas que vivem em condições limitadas foram mais expostas ao coronavírus e foram menos capazes de reduzir o risco de infecção porque suas casas eram muito pequenas. A superlotação foi uma das principais razões pelas quais as pessoas mais pobres e, em particular, os mais pobres de minorias étnicas, foram afetadas de forma desproporcional pela pandemia.
 
Os pesquisadores também concluíram que a superlotação, junto com outros problemas de moradia, como locações úmidas e inseguras, levou a um aumento nas doenças físicas e mentais.
 
“Desde março, muitos de nós temos passado muito mais tempo em casa, em quarentena. Para muitos, a qualidade de suas casas tornou sua experiência com a pandemia ainda pior do que precisava ser”, disse Adam Tinson, coautor da análise e analista sênior do thinktank (centro de investigação e reflexão) da Saúde.
“Enquanto alguns resistiram à quarentena em grandes casas com jardins e muito espaço para morar, outros lutaram em condições de superlotação e inseguras. A superlotação está associada à disseminação da Covid-19, tornando o auto-isolamento mais difícil e permitindo que o vírus se espalhe por mais pessoas, se uma delas for infectada.”
 
Os dados são de 2019-20 e foram divulgados no início deste mês. Mostram que pouco antes da pandemia surgir em março, 830.000 residências na Inglaterra estavam superlotadas, especialmente propriedades alugadas. Isso era 200.000 a mais do que o número naquela situação uma década antes.
“Os ambientes residenciais das pessoas afetaram a sua capacidade de proteger a si mesmas e a outras pessoas da Covid-19. As pessoas foram encorajadas a permanecer em suas casas tanto quanto possível, mas a transmissão dentro de casa desempenhou um papel importante na disseminação do vírus”, diz a análise – o que é assustador.
“A superlotação, que já vinha aumentando nos anos anteriores à pandemia, torna mais difícil o auto-isolamento e a proteção, e pode ter contribuído para taxas de mortalidade mais altas nas áreas mais pobres.”
Ele acrescentou que 8% das famílias com renda mais baixa viviam em residências superlotadas, em comparação com menos de 1% das famílias com renda mais alta.
 
Da mesma forma, “famílias de minorias étnicas têm cinco vezes mais probabilidade de estarem vivendo de forma superlotada do que famílias brancas, ilustrando apenas uma das maneiras pelas quais as disparidades habitacionais existentes estão se combinando com a pandemia para aumentar ainda mais as desigualdades na saúde”.
 
O fato de pessoas sendo forçadas a passar mais tempo em casas superlotadas durante as várias quarentenas deste ano também causou ou piorou problemas de saúde mental, especialmente aqueles que sofrem angústia. “A aflição é geralmente maior para as famílias aglomeradas, e os dados do período da pandemia parecem mostrar isso se intensificando durante a quarentena mais severa em abril de 2020, quando 39% das pessoas em famílias superlotadas indicavam sofrimento psicológico”, em comparação com 29% daqueles cujas casas não estavam superlotadas, conclui a análise.
 
“Esta análise mostra que os problemas de saúde mental têm sido um problema particular para as pessoas em famílias superlotadas durante a pandemia, especialmente no primeiro bloqueio. A falta crônica de opções de habitação a preços acessíveis, combinada com anos de reduções no apoio aos custos de habitação, nos levou a este ponto ”, disse Tinson.
 
As restrições à movimentação e à mistura social também aprofundaram a solidão entre os que vivem sozinhos, disse o relatório.
Portanto, são necessárias mudanças importantes na política de habitação (como locações privadas mais seguras, reversão dos cortes no benefício de habitação e construção de mais habitação social) para reduzir o impacto das casas de má qualidade na saúde das pessoas, recomenda a Fundação Saúde.
O que a Fundação Saúde descreve e propõe está corretíssimo. O que impressiona é que foi preciso uma pandemia para ela perceber isso...

Leia também em The Guardian.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »