25/05/2020 às 19h17min - Atualizada em 25/05/2020 às 19h17min

​NINGUÉM PENSA EM COMPRAR NADA

PESQUISA MOSTRA A MAIOR QUEDA NA INTENÇÃO DE CONSUMO


A insistência do presidente Bolsonaro, empresários e alguns prefeitos para reabrir o comércio, mesmo o Brasil sendo o segundo país em número de casos de coronavírus no mundo, tem tudo para ser um grande fiasco. Segundo pesquisa de Intenção de Consumo das Famílias, da Confederação Nacional do Comércio,  divulgada, nessa segunda-feira, maio registrou uma queda mensal de 13,1% em relação a abril, a maior desde o início da pesquisa, em janeiro de 2010, como informou a  coluna de Lauro Jardim de O Globo.
Esse é o segundo resultado negativo consecutivo, consequência dos impactos econômicos da pandemia do coronavírus. O índice de intenção chegou 81,7 pontos, o menor desde novembro de 2017. Se a comparação for feita com maio do ano passado, a queda é mais acentuada: -13,7%, a maior desde agosto de 2016. 
A pesquisa foi feita com 18 mil consumidores, pelo  telefone, e o objetivo é indicar aos lojistas o que podem esperar quando o comércio for reaberto. Essa queda na intenção de consumo já vem sendo confirmada pelos lojistas dos shoppings centers que reabriram em algumas cidades, no início de maio. O movimento é muito fraco e as perdas já chegam a 65% em relação ao mesmo período do ano passado. 
As perpectivas para o comércio entre os países também não são nada animadoras. A Organização Mundial do Comércio prevê que o comércio mundial deve cair até 32% esse ano, dependendo da duração da pandemia e das políticas adotadas pelas nações.  Segundo o diretor-geral da OMC, o diplomata brasileiro Roberto Azevêdo, a pandemia deixará suas cicratrizes. “Num primeiro momento pode haver a tentação de se fechar. Alguns governos poderão buscar a autossuficiência em setores considerados essenciais. Mas logo ficará claro que essa não é uma resposta sustentável, poderia expor a economia a novos choques de oferta e de preço”, disse o diplomata que já está há quase sete anos no cargo, à BBC News Brasil. 

Leia mais na BBC News Brasil e no O Globo
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »